Complot

Este blogue nada tem de original. Fala de assuntos diversos como a política nacional ou internacional. Levanta questões sobre a sociedade moderna. No entanto, pelo seu título - Complot -, algo está submerso, mensagens codificadas que se encontram no meio de inocentes textos. Eis o desafio do século: descobri-las...

A minha fotografia
Nome:
Localização: Praia da Vitória, Terceira, Portugal

domingo, janeiro 31, 2010

Paraíso Perdido T2C20



A conspiração da Gripe A

Estalou a polémica na Organização Mundial da Saúde (OMS). Um dos seus altos responsáveis nega que houve pandemia da Gripe A e acusa os laboratórios farmacêuticos de ter ligações suspeitas com a OMS. Por enquanto, são acusações graves que carecem de provas mas não espantam parte da população mundial, porque as teorias de conspiração sempre deliciaram o imaginário de cada um. No entanto, a dúvida subsiste e é pertinente: o medo que a gripe A despoletou foi real ou foi intencionalmente exagerado?


Se nos lembramos de como começou, o México - vai-se lá saber porquê – iniciou as hostilidades e o nível de contágio parecia altíssimo. Gerou-se logo o pânico não por causa da doença em si, mas por causa do empolamento feito pela televisão. A gripe espalhou-se pelos diversos continentes e, rapidamente, governos e laboratórios trataram de encontrar formas de combater a ameaça. Sendo uma estirpe da gripe, o receio prendia-se com a sua rapidez de contágio, a ameaça que ela representa para seres saudáveis (ao contrário da gripe sazonal) e as possíveis mutações que pode ter, pois o vírus ainda não está devidamente estudado.


A vacina e o tratamento foram introduzidos no mercado e, perante o medo, os governos compraram milhões de doses de vacinas e de medicamentos. No entretanto, apostava-se em medidas preventivas de higiene e de redução de contacto entre as pessoas, e rezava-se para que não houvesse muitas mortes, tendo em conta as previsões que apontavam para centenas de milhares de vítimas em cada país.



Até agora, morreram 14.142 em todo o mundo e 98 em Portugal. Felizmente, com estes resultados, não se pode falar em pandemia. Alguns governos e órgãos de comunicação social começam então a especular sobre uma possível conspiração.


Enquanto não se apura a verdade (coisa que provavelmente nunca acontecerá), é importante que os governos percebam o que correu bem para que os danos fossem diminutos comparados com o previsto. As medidas preventivas, nomeadamente no que toca à higiene, foram muito profícuas. Este comportamento asséptico entrou no nosso estilo de vida e é de prever que se mantenha no futuro. O que não podemos é viver constantemente com o medo de que um vírus dizime parte da população (o que nos remete de certa maneira para a onda de pânico que se criou à volta das ameaças terroristas).


Como tal, convém que a próxima vacina da gripe sazonal já contenha o derivado contra a gripe A e que a OMS reveja a forma de analisar os dados para impedir o pânico empolado e alimentado pela comunicação social. Infelizmente, haverá sempre quem lucre com a desgraça dos outros, mas com estes acontecimentos, desde a doença das vacas loucas até ao H1N1, o mundo tem-se preparado para uma potencial pandemia que está cada vez mais perto e essa sim verdadeira.



Venezuela, mon amour

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anda desamparado. A sua queda do poder parece iminente - e não é por culpa nem da CIA nem da oposição política interna. A culpa é da sua total incompetência para gerir um país potencialmente rico e próspero.

Perante os problemas que ele próprio criou, Chávez passa por uma situação de paranóia que o impede de ver e actuar por forma a corrigir o que está mal na sua governação. Este estado de espírito, roçando a esquizofrenia, tomou conta dele e quem está ao seu lado, por perceber o que se passa e o que se antevê, começa a pedir demissão ou a afastar-se. Quem paga as loucuras do autocrata é, como sempre, o povo que não aceita a imposição de um clima de austeridade insustentável e incompreensível. A pobreza aumenta e a criminalidade toma proporções típicas de um cenário de guerra civil; por alguma razão Caracas é uma das cidades mais perigosas do mundo.

Na Europa, houve quem ficasse seduzido pela “Revolución Bolivariana” que Chávez tanto quis implementar. Actualmente, a desilusão e o desconforto imperam porque, afinal, a América do Sul não tem remédio: quanto mais abominam a América capitalista e mais gritam pelas virtudes do socialismo, mais o seu povo sofre.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial