Complot

Este blogue nada tem de original. Fala de assuntos diversos como a política nacional ou internacional. Levanta questões sobre a sociedade moderna. No entanto, pelo seu título - Complot -, algo está submerso, mensagens codificadas que se encontram no meio de inocentes textos. Eis o desafio do século: descobri-las...

A minha fotografia
Nome:
Localização: Praia da Vitória, Terceira, Portugal

domingo, abril 28, 2013

Isto vai aquecer




Um novo período eleitoral avizinha-se. Por serem de cariz local, as eleições autárquicas levam o fervor partidário ao rubro. Na Terceira, como nos Açores, o domínio autárquico do PS é avassalador e sufocante. Será que a estratégia de culpar Passos Coelho por todos os males do país vai também ser utilizada pelos candidatos do PS para justificar os problemas das respetivas autarquias?

Na Terceira, já temos nomes. Relativamente ao candidato socialista para Angra, mais do que saber quem vai encabeçar a lista, importa conhecer os restantes elementos, pois, à luz da história recente, o principal candidato tem por hábito desistir da Câmara. Com isto, não está em causa a pessoa de Álamo Meneses, cujo currículo político fala por si. O que está em causa é o PS que, com os seus experimentalismos, tem demonstrado pouca consideração por Angra. Nunca será de mais relembrar que, ao longo dos últimos anos, o PS fez o quis com os seus candidatos eleitos, não tendo pudor nenhum em “afastá-los” do lugar quando as coisas corriam mal. Parafraseando o lema do Congresso do PS: “É tempo de mudar”.

Segundo a imprensa, António Ventura volta a candidatar-se à presidência da cidade-património pelo PSD. Apesar de não ser costume um candidato derrotado concorrer novamente, António Ventura é conhecido pela sua perseverança. Por isso, esta solução não surpreende. Se há quatro anos tivesse ganho, Angra teria sido bem servida, por isso não há razões para deixar de o ser em 2013. É a lógica da resiliência política. Do lado do CDS, o mistério ainda paira no ar. Mas, nas últimas eleições, Artur Lima fez um combate político aguerrido e conquistou uma parte substancial dos votos dos angrenses. A soma de votos dos dois partidos de Direita chegou a ultrapassar a votação socialista. Daí a imprensa adiantar a possibilidade de coligação PSD/CDS. 

Esta hipótese é um desafio extraordinário se atendermos às personalidades de António Ventura e de Artur Lima. Como consensualizar propostas e posições entre os dois? As coligações obrigam a uma flexibilidade na atitude e nas ideias bastante complicada. Mas não há dúvidas de que ambos são reconhecidos por serem acérrimos defensores da ilha Terceira. Assim sendo, se conseguem dirimir as suas diferenças e criar um programa eleitoral para uma única candidatura, só pode significar que os interesses de Angra serão colocados no topo das prioridades. 

Do lado da Praia da Vitória, o tabu foi criado à volta da recandidatura de Roberto Monteiro, que tem tido um final de mandato difícil (a última conferência de imprensa na qual ameaçou processar os órgãos de comunicação social que lhe fizessem frente foi muito infeliz). Perante esta indefinição, surge esta hipótese, mesmo que remota: o PS tem receio de apresentar uma alternativa, por isso irá reconduzir o atual presidente, conquistando mais uma vitória, para posteriormente o substituir. Na política, há modas que pegam.

Judite Parreira é candidata pelo PSD. Atualmente deputada na Assembleia Regional e presidente da concelhia dos laranjas na Praia, Judite Parreira é a candidata natural do partido. Isto porque o anterior candidato, Berto Cabral, terá declinado recandidatar-se, invocando razões pessoais.

Em conversa com a candidata, disse-lhe que o PSD não devia apresentar candidato nenhum tendo em conta o montante das dívidas contraídas pelo atual executivo. Mas entre o que uma pessoa acha e o que deve ser vai uma grande distância: Por isso, o PSD irá concorrer de cabeça erguida com o objetivo de superar o desaire das últimas eleições. E é bom perceber que se muita coisa foi feita na Praia da Vitória, não foi infelizmente possível incutir mais dinamismo económico e social ao concelho. Por mais que se tenha apostado em infraestruturas, os seus benefícios, nalguns casos, têm tido pouco proveito - sem falar das empresas municipais que se transformaram em autênticos bunkers do PS, onde grassa caciquismo do pior. Com a crise e o problema crescente da Base Americana, a política exige um novo paradigma para o desenvolvimento local, focando-se principalmente no combate ao desemprego e à pobreza, isto é a coesão social. 

Nos próximos tempos, muita tinta ainda vai correr e com isso muita guerrilha política. Esperemos que haja bom senso para que se gaste o mínimo possível em campanha. Os contribuintes depenados agradecem.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial