Complot

Este blogue nada tem de original. Fala de assuntos diversos como a política nacional ou internacional. Levanta questões sobre a sociedade moderna. No entanto, pelo seu título - Complot -, algo está submerso, mensagens codificadas que se encontram no meio de inocentes textos. Eis o desafio do século: descobri-las...

A minha fotografia
Nome:
Localização: Praia da Vitória, Terceira, Portugal

sábado, abril 13, 2013

Como perdoar caloteiros




Da Câmara Municipal de Angra nasceu uma ideia brilhante que irá revolucionar as políticas públicas de ação social. Até os partidos de Direita apoiaram a iniciativa, não pelo valor em si, mas pelo embaraço que significaria a sua reprovação. A isto se chama demagogia. Lamentavelmente. Na verdade, a iniciativa de substituir o pagamento de rendas sociais em atraso pela prestação de trabalho comunitário é incompreensível à luz do respeito pelos princípios básicos de solidariedade social e sobretudo da decência. 

            Obviamente que o que escrevo não passa de uma opinião. No entanto, não deixo de condenar esta iniciativa e de me distanciar dos meus companheiros de partido. Quando a Câmara estabeleceu contratos de arrendamento social, fê-lo como se faz com qualquer contrato de arrendamento. Em caso de incumprimento por qualquer uma das partes, haveria consequências devidamente previstas na lei. O problema, que não só abrange Angra como grande parte das autarquias a nível nacional, é que, pelo facto de as rendas serem tão baixas (entre 5 e 100 euros) e pelo facto de essa franja da população ser relevante no momento do voto, nunca houve intenção de punir quem deixasse de pagar. E é público que alguns inquilinos não pagam há anos. 

            Se as câmaras tivessem sido rigorosas desde o início no cumprimento do contrato, não teriam chegado a tal situação - em Angra, a soma das rendas em atraso rondam os 300 mil euros. A Câmara de Angra deveria ter procedido a um plano de pagamento de rendas em atraso com a cooperação do Governo Regional e da Segurança Social - pois muitas famílias beneficiam de subsídios -, mas nunca ter recorrido ao perdão (porque é disso que se trata) em troca de trabalho comunitário. O trabalho comunitário não substitui o dinheiro que uma autarquia deve auferir por este tipo de apoio social. Não há moralidade nenhuma em usar o dinheiro dos contribuintes para construir casas e, a seguir, deixar pessoas lá viver à borla em troca de uns biscates. 

Com esta crise, quantos açorianos já tiveram de entregar as suas casas ao banco por não aguentar com as prestações de crédito; quantos terceirenses tiveram de mudar de casa por não suportar a renda contratualizada; quantas famílias de Angra tiveram de emigrar para pagar as suas dívidas? Angra criou um precedente grave: por um lado, temos alguns cujo dever é cumprir, custe o que custar; por outro, temos outros abençoados pela legalização do calote. 

            O mais ridículo nisto tudo é que, se as eleições autárquicas não estivessem à porta, esta solução nunca existiria.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial